Site Versão em Inglês Site Versão em Espanhol
 
Facedbook twitter YouTube

Multimídia » Clipping
 
 
SEGUNDA-FEIRA, 03 DE SETEMBRO DE 2018 | 08:31
 
Surto do dólar não vem da eleição
 
O dólar tem tido picos de pressão porque os surtos financeiros de países emergentes estão cada vez piores neste ano. O trem fantasma da eleição e a economia estropiada do Brasil não ajudam, mas não explicam os coices na taxa de câmbio.

Vários dos surtos de alta do dólar por aqui, como no resto do mundo meio pobre, se deveram à degradação das economias turca e argentina.

O fato de o Brasil estar em pandarecos político-econômicos, de ter juros básicos em nível baixo e um mercado financeiro grande ajuda a amplificar o choque. Mas o pontapé vem do tumulto financeiro internacional. Atribuir o sururu à pesquisa eleitoral da manhã é bobice, no melhor dos casos, ou picaretagem politizada.

Que crise é essa, então?
Além da poluição do ambiente provocada pelo Nero Laranja, Donald Trump, a valorização do dólar contamina os ditos emergentes. O dólar se valoriza porque a atividade econômica e, pois, as taxas de juros estão em alta nos EUA. Faz uns cinco anos que se esperava essa reviravolta na finança mundial.

Tardou, mas chegou. O dinheiro grosso migra em parte por causa desse movimento de juros; outra debanda porque teme calotes ou desvalorizações grandes nos países em que governos e empresas têm dívida externa problemática.

Dois países com crises externas feias e, em parte, semelhantes, mas com governos bem diferentes estão indo à breca, Argentina e Turquia. No momento, quem surta é a Argentina.

O governo turco é autoritário, populista e despreparado; administra sua crise externa (excesso de gasto e dívida) de modo doidivanas.

A Argentina se afoga em parte por causa do naufrágio turco, embora tenha um governo dito ortodoxo em economia, o de Maurício Macri, que segue o manual.

Seguir o manual implica cortar gasto público, reduzir subsídios etc, ainda mais tendo pedido dinheiro ao FMI. O arrocho de gastos e a disparada dos juros à estratosfera (a fim de defender o valor do peso), vão provocar recessão. Logo, Macri e sua turma tendem a perder a eleição do ano que vem para uma oposição que combate o arrocho, o ajuste e FMI. O de sempre.

Os donos do dinheiro grosso já perceberam a enrascada. Alguns, por via das dúvidas, já desistem da Argentina, o que intensifica a crise. O país, como se nota, está entre a cruz e a caldeirinha.

Como se dizia nestas colunas quando a Argentina foi ao FMI, em maio: "No essencial, o problema argentino é ter de pedir dinheiro emprestado no exterior a fim de cobrir o buraco nas contas públicas. Isto é, o governo da Argentina faz um monte de dívida externa para cobrir seu excesso de gastos".

Sim, a Argentina faz dívida externa para cobrir o grosso déficit do governo, não tem como pedir emprestado no mercado doméstico. Com a alta dos juros americanos e outras mumunhas da economia mundial, o dinheiro ficou caro e escasso.

Macri foi ao FMI, onde conseguiu um cheque especial de US$ 50 bilhões. Tinha sacado uns US$ 15 bilhões. Nesta semana, avisou de modo desastrado que sacaria mais. Pegou muito mal, causou até algum pânico.

Este é o motivo mais imediato do dólar ter dado um pulo a R$ 4,21, nesta quinta-feira.

O surto pode passar, como já aconteceu umas três vezes neste ano, mas a situação de Turquia e Argentina apenas se agrava.

Aqui, podemos embarcar nesses naufrágios, dada a fragmentação de candidaturas vaidosas, dadas a mirabolâncias programáticas e alheadas do tamanho da crise brasileira e do tumulto internacional.

fonte: Udop, com informações da Folha de S.Paulo (escrita por Vinicius Torres Freitas)
 
Mais recentes
 
QUARTA-FEIRA, 14 DE NOVEMBRO DE 2018 | 08:08
 
Superávit da balança comercial chega a US$ 50 bilhões na parcial deste ano
 
O resultado é 16,5% inferior ao registrado no mesmo período do ano passado
SEGUNDA-FEIRA, 12 DE NOVEMBRO DE 2018 | 08:35
 
PIB somou R$ 6,267 trilhões e caiu menos em 2016, mostra cálculo final do IBGE
 
Em 2016, o PIB somou R$ 6,267 trilhões
SEXTA-FEIRA, 09 DE NOVEMBRO DE 2018 | 08:14
 
Vendas de máquinas agrícolas crescem 35,3% em outubro na comparação anual
 
A produção terminou o mês com 7,4 mil máquinas em outubro
Confira todas as notícias
 
  
  

PEÇAS E COMPONENTES
Disponibilizamos através da Tba (www.tbatec.com.br) peças originais a pronta entrega, utilizadas em nossos equipamentos...
 
Se você tem Gascom,
você tem pós venda.

 

 
 
 

 
ß
 

® 2013 | Gascom Equipamentos Industriais | Todos os direitos reservados
Avenida Marginal Sérgio Cancian, 5293 | Sertãozinho | SP | Fone 16 2105-3622 | comercial@gascom.com.br
 
  » Inicial

» Empresa
    História
Localização
Clientes
» Produtos

» Serviços e Peças
    Assistência Técnica
Peças e Componentes

» Multimídia
    Notícias
Clipping
Sala de Imprensa
Eventos
» Contato
    Fale conosco
Solicite seu orçamento
Trabalhe conosco
Seja nosso fornecedor